Saúde quer venda de autoteste só em farmácia

Anvisa confirmou ter recebido os dados adicionais e disse que ajustará a proposta para submetê-la à Procuradoria, com conclusão “no menor e melhor tempo possível”

A liberação de autotestes de Covid-19 defendida pelo Ministério da Saúde (MS) prevê a venda exclusiva em farmácia. Dessa maneira, a proposta está entre as informações complementares enviadas à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na última terça-feira. No entanto, não há menção à distribuição do item pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O documento indica que a pessoa com resultado positivo no autoteste (feito de forma doméstica, com coleta nasal ou de saliva e resultado em torno de 10 a 20 minutos) deve ir a uma unidade de saúde ou realizar teleatendimento.

Para que, então, um profissional da saúde confirme, então, o diagnóstico e realize a notificação e orientações pertinentes. A pessoa também deve se isolar imediatamente.

O resultado é tratado como uma forma de “triagem” e, portanto, não será considerado como comprovante para licença médica laboral, por exemplo.

A notificação do resultado positivo e consequente registro oficial só ocorrerá se a pessoa procurar atendimento.

Dessa maneira, então, a indicação é para pessoas com sintomas leves, enquanto as que estão com quadro grave precisam buscar atendimento médico com urgência.

Contudo, embora não seja obrigatório, a pasta recomenda que o fabricante ofereça um sistema de registro de resultados pela internet.

Venda do autoteste em farmácia

Em nota, a Anvisa confirmou ter recebido os dados adicionais e disse que analisará e ajustará a proposta para submetê-la à Procuradoria, com conclusão “no menor e melhor tempo possível”.

De acordo com o Ministério, o objetivo da liberação é ampliar os métodos de testagem, estimular o isolamento precoce e permitir a identificação do fim do período de transmissão do vírus.

Parte das informações está em um despacho assinado pela secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite de Melo.

O texto cita haver “uma demanda razoável para teste rápido de antígeno como uma alternativa de autotestagem e que seja de baixo custo”, o que é permitido em diversos países, inclusive com políticas de distribuição pública gratuita, como no Reino Unido. Além disso, é admitido que a pandemia piorou nas últimas semanas.

Teste suspenso

A Anvisa determinou o recolhimento e suspensão da venda, distribuição, fabricação, importação, propaganda e aplicação do autoteste Isa Lab e do meuDNA PCR-Lamp de autocoleta pela saliva, da empresa Pague Menos.

De acordo com a agência, ambos não têm registro no órgão.

Em nota, a Pague Menos alega que não se trata de autoteste, e sim um kit de coleta de saliva.

“O próprio consumidor é quem realiza a coleta da saliva e envia o material à Mendelics, que faz a análise.” A Isa Lab também justificou ser um teste de autocoleta e não um autoteste.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário