Vacinação contra a Covid-19 ameaçada no Brasil

Falta de matéria-prima importada para Butantan e Fiocruz ameaça a vacinação contra a Covid-19 no Brasil

A vacinação contra a Covid-19 no Brasil pode estar ameaçada.

Atrasos no envio de matéria-prima para a fabricação, no Brasil, de vacinas nos laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan podem colocar em xeque o calendário e o andamento da campanha de vacinação contra a Covid-19 no país. 

Até agora, não há data prevista para a chegada do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), insumo fundamental para a produção da vacina de Oxford e da CoronaVac no Brasil, às instituições.

O atraso no envio do ingrediente preocupa porque, de acordo com analistas, apenas a partir da fabricação das doses no país é que a campanha de vacinação contra o coronavírus deslanchará de vez.

Enquanto isso, o Brasil dependerá da importação de uma quantidade de doses que não dará conta de imunizar sequer os grupos prioritários.

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou na última segunda-feira (18) que, caso o IFA não chegue da China até o fim deste mês, o cronograma de vacinação com a CoronaVac poderá ser adiado.

O Butantan tem capacidade para produzir 1 milhão de doses da CoronaVac por dia, mas isso depende de receber o IFA da Sinovac.

Dimas Covas ainda disse que o problema na liberação desses insumos é de ordem burocrática.

“Temos um carregamento de matéria-prima pronto lá na China para ser despachado e estamos aguardando autorização do governo chinês para, aí sim, iniciar a segunda etapa de produção ” afirmou.

O Butantan informou que a Sinovac já liberou o carregamento de IFA, mas que o lote aguarda o aval do governo da China. Sobre o assunto, o Ministério da Saúde afirmou em nota que, se o Butantan requerer apoio ao governo federal, “será dada toda ajuda necessária”.

Doses

Além das 6 milhões de doses que começaram a ser distribuídas nesta segunda no país, restam no Butantan 4,8 milhões de doses já recebidas da Sinovac.

Elas já estão envasadas e prontas para aplicação em brasileiros, mas que precisam aguardar autorização para uso emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O pedido foi feito também no dia 18 e tem até 10 dias para ser aprovado, mas diretores da agência reguladora afirmaram que o processo deve ser ágil. 

A falta de previsão de data para receber o IFA também é um problema que acomete a Fiocruz.

Neste caso, a responsabilidade do envio é do laboratório anglo-sueco AstraZeneca, que atua para organizar o repasse do ingrediente produzido na fabricante chinesa WuXi.

A Fiocruz previa receber o insumo em dezembro, mas o mês passou sem que isso ocorresse.

A projeção passou para janeiro, mas, até agora, o IFA ainda não chegou.

Expectativa

O planejamento da Fiocruz era de que, após receber o IFA, começaria a produção para entregar o primeiro lote da vacina de Oxford com 1 milhão de doses produzidas no Brasil entre 8 e 12 de fevereiro.

Na semana seguinte, seria liberado mais um lote de 1 milhão de doses.

E, a partir da terceira semana, de 22 a 26 de fevereiro, seriam 700 mil doses diárias, totalizando 3,5 milhões de doses semanais.

Assim, a Fiocruz entregaria 110,4 milhões de doses até julho de 2021.

E, após a transferência de tecnologia para produzir o IFA localmente, sem depender do envio pela AstraZeneca, mais 110 milhões de doses seria fabricadas no segundo semestre.

Vacinação ameaçada

Mas, se o ingrediente atrasar, a campanha de vacinação no Brasil será seriamente afetada, alertam analistas.

O grosso do Plano Nacional de Imunização é a vacina de Oxford, a principal aposta do governo Jair Bolsonaro.

O contrato com a AstraZeneca prevê que, se o laboratório não fornecer o IFA à Fiocruz, deverá enviar as vacinas já prontas ao Brasil.

O envio do IFA ao Brasil esbarra também em questões diplomáticas na China, país do laboratório que deverá fornecer o ingrediente à Fiocruz.

O MS disse que a China “é uma das grandes produtoras de IFA para Butantan e Fiocruz, e o governo brasileiro segue com negociações diplomáticas relativas à questão, bem como a AstraZeneca Global e a representante do Brasil”.

Distribuição de vacinas pelo governo federal começa com atraso 

Fonte: GZH Saúde

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário