As funções do farmacêutico nas farmácias

Profissional tem responsabilidades clínicas e não clínicas

Ele está, a todo momento, pronto para atender os clientes, mas as funções do farmacêutico vão muito além do atendimento. Desse modo, o profissional é responsável desde o monitoramento do estoque até verificar sinais e sintomas dos pacientes que precisam de ajuda.

Confira todas as funções do profissional no dia a dia e entenda um pouco mais sobre o papel do farmacêutico:

Atividades não clínicas

  • Aquisição e monitoramento do estoque;
  • Recebimento, armazenamento e conservação dos medicamentos;
  • Fracionamento de medicamentos;
  • Manipulação de fórmulas magistrais e oficinais;
  • Intercambialidade de medicamentos;
  • Realização do exame físico do medicamento;
  • Elaboração do Manual de Boas Práticas de Dispensação;
  • Realização dos Procedimentos Operacionais-Padrão (POPs);
  • Desenvolvimento do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS);
  • Treinamento e capacitação dos funcionários;
  • Atualização da documentação legal;
  • Uso de ferramentas administrativas e financeiras, como escrituração de medicamentos no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), sistema de controle de estoque de medicamentos, cadastro de fornecedores, entre outros.

Atividades clínicas (de acordo com a Resolução do Conselho Federal de Farmácia – CFF – 565)

  • Estabelecer e conduzir uma relação de cuidado centrada no paciente;
  • Desenvolver, em colaboração com os demais membros da equipe de saúde, ações para a promoção, proteção e recuperação da saúde, e a prevenção de doenças e de outros problemas de saúde;
  • Participar do planejamento e da avaliação da farmacoterapia, para que o paciente use de maneira segura os medicamentos de que necessita, em doses, frequência, horários, vias de administração e duração adequados, contribuindo para que o mesmo tenha condições de realizar o tratamento e alcançar os objetivos terapêuticos;
  • Analisar a prescrição de medicamentos quanto aos aspectos legais e técnicos;
  • Realizar intervenções farmacêuticas e emitir um parecer farmacêutico a outros membros da equipe de saúde, com o propósito de auxiliar na seleção, adição, substituição, ajuste ou interrupção da farmacoterapia do paciente;
  • Prover a consulta farmacêutica em consultório farmacêutico em consultório farmacêutico ou em outro ambiente adequado, que garanta a privacidade do atendimento;
  • Fazer a anamnese farmacêutica, bem como verificar sinais e sintomas, com o propósito de prover cuidado ao paciente;
  • Prevenir, identificar, avaliar e intervir nos incidentes relacionados aos medicamentos e a outros problemas relacionados à farmacoterapia;
  • Identificar, avaliar e intervir nas interações medicamentosas indesejadas e clinicamente significantes.

Fonte: Guia da Farmácia – edição 302
Foto: Shutterstock

Dez contribuições indispensáveis dos balconistas nas farmácias

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário