PDV

Como a farmácia pode atuar como plataforma de cuidado e bem-estar

O conteúdo foi apresentado durante o evento online do Retail Farma Brasil

Aconteceu hoje (21), o evento on-line do Retail Farma Brasil, “A nova farmácia como plataforma de cuidado de saúde e bem-estar”. O evento iniciou abordando o conceito do marketing integrado de cada categoria, que se baseia na sincronização das diversas funções do marketing e no alinhamento de todos os departamentos da empresa ao marketing como forma de melhorar a experiência do consumidor, estabelecendo com ele um relacionamento duradouro.

No caso da farmácia, o primeiro passo é pensar em que tipo de produto ou serviço o consumidor precisa. Em seguida vem a indústria, que promove soluções para esse consumidor. Contudo, é importante lembrar que a categoria não cresce se o varejo não estiver alinhado com isso.

“O ponto de venda (PDV) está na junção de tudo o que promove e faz crescer uma categoria. A jornada do shopper é integrada, as marcas precisam entender que as jornadas de compra são mais amplas e só assim conseguirão inovar”, explica o vice-presidente de conteúdo do Retail Farma Brasil, Rogério Lima.

Mapeando a jornada no PDV farmacêutico

“Medicamentos rx, por exemplo, possuem muita similaridade com produtos de consumo (FMCG) com relação a experiência de compra do shopper no PDV. Assim, a indústria precisa descobrir qual o trade mix correto, o conjunto de ofertas que o PDV deve oferecer para vocês ativarem corretamente as suas marcas”, explica Lima.

Além disso, é importante lembrar que o conceito omnichannel não é simplesmente trazer novos canais, mas entender que a experiência de compra do shopper deve ser harmônica independente do canal que ele escolher.

“Evoluímos do cuidado à doença para um modelo de autocuidado. Para a pessoa estar mais engajada na adesão ao tratamento, ou a uma solução diferenciada de prevenção, é preciso comunicação e é possível fazer isso através de vários canais”, orienta o especialista.

O papel do farmacêutico

Não é de hoje que o papel do farmacêutico vem mudando e cada vez mais ele pode atuar nesse conceito crescente de autocuidado. “Quando o consumidor chega no balcão qual o papel assertivo do farmacêutico? Ele deve classificar a necessidade desse paciente, ter uma etapa de conversão e recomendação de soluções para o que ele está buscando, e então tentar fazer uma venda cruzada – ao ampliar a cesta do paciente, ampliamos a adesão dele a esse tratamento. Por último, o farmacêutico deve incentivar o regresso”, orienta Lima.

Uma categoria cresce trazendo mais pessoas, recrutando mais shoppers e consumidores para uma categoria que no passado ele não costumava comprar como vitaminas. Em seguida é importante pensar em como aumentar a frequência de compras de produtos daquela categoria e fazer ele gastar mais no momento da compra.  “Isso também pode ser usado em medicamentos RX. Uma jornada não é só trazer bons preços para balcão de um medicamento rx, tem uma holística da jornada desse shopper com um mix de produtos, com uma cesta ampla, com serviços e soluções que ela como varejista pode oferecer”, destaca Lima.

O evento também contou com a participação do Head comercial da ePharma, Kerley Silva; do CEO da ClinicaRx, Cassiano Correr; do diretor sênior de insights do Kantar, Amar Singh; do CEO da Associação Brasileira de Redes de Farmácia e Drogarias (Abrafarma), Sérgio Mena Barreto; entre outros especialistas do setor.

Como mudou o comportamento do shopper na farmácia?

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Divulgação

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário