Conheça o medicamento que promete ser o Viagra feminino

O Viagra feminino é injetável e possui substância que atua no cérebro, através dos receptores de melanocortina, resultando em melhora do desejo sexual

Recentemente foi aprovado pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (FDA) que regula alimentos e medicações, um medicamento popularmente conhecido como Viagra feminino, com o nome comercial de Vyleesi. O medicamento é injetável e promete “revolucionar” a vida sexual feminina.

A ginecologista e obstetra Dra. Lorena Baldotto explica que o medicamento consegue tratar a falta de libido feminina. Ele é, igualmente, indicado para tratamento do distúrbio do desejo sexual hipoativo.

“Essa medicação possui em sua composição a substância bremelanotide, que atua em nível cerebral nos receptores de melanocortina. Isso causa melhora do desejo sexual e de sintomas de sofrimento relacionados”, explica. A medicação é injetável, muito parecida com as canetas de insulina e fácil de aplicar. A dose preconizada é de 75 mg/0,3 ml do Vyleesi com seu próprio aplicador, no abdômen ou coxa, 40 minutos antes da relação. “Ele pode causar náuseas e vômitos, não deve ser utilizado duas vezes no mesmo dia, nem mais de oito vezes no mês”.

Viagra feminino: é preciso cautela

A ginecologista alerta que, apesar de o “Viagra feminino” parecer maravilhoso, é preciso estar atenta. Afinal, situações relacionadas ao desejo possuem muitas facetas. Algumas questões ligadas ao relacionamento e a autoestima podem interferir de forma mais profunda na falta de libido das mulheres.

“Além disso, o Vyleesi ainda não foi liberado para comercialização no Brasil. Ele não deve ser usado apenas por mulheres que estão na menopausa e que a falta de desejo sexual esteja incomodando muito sua relação. E o principal: não tome medicamento sem prescrição médica! Para mais informações procure orientação profissional”, alertou a especialista.

20% das brasileiras não cuidam adequadamente da saúde sexual

Questões da maior importância para a saúde sexual da mulher brasileira foram trazidas à tona. Isso foi feito pela pesquisa inédita “Expectativa da mulher brasileira sobre sua vida sexual e reprodutiva: as relações dos ginecologistas e obstetras com suas pacientes”. O estudo, realizado pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), em trabalho conjunto com o Datafolha, evidenciou, por exemplo, que dezenas de milhões de brasileiras não priorizam e, consequentemente, não tratam da saúde sexual e reprodutiva.

É alarmante o número de mulheres que não costumam ir ao ginecologista-obstetra (GO): 6,5 milhões. Há, também aquelas que nunca foram ao GO: 4 milhões. Igualmente, existem as que não passam por uma consulta com o GO há mais de um ano: 16,2 milhões. Esse dado inclui o grupo de mulheres que não costumam ir.  Isso significa que cerca de 20% daquelas com 16 anos ou mais correm o risco de ter algum problema sem ao menos imaginar.

Foto: Shutterstock
Fontes: R7 e Guia da Farmácia

Climatério e menopausa: episódios próximos mas diferentes


Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

5 Comentários

    • Maria Lucieuda em

      Queria compra o Viagra ele da vontade mesmo de fazer sexo porque eu não sento vontade e nuca chego o orgasmo… faço sexo com meu namorado mais nuca gozo não sento nada.. eu fico muito triste com tudo isso nem molhadinha eu fico.. queria um remédio pra que eu senta prazer,,

Deixe um comentário