Maternidade: Nasce uma nova fase

Durante a gestação, podem surgir algumas alterações, especialmente na pele da mulher. Manter uma rotina de cuidados com a saúde, a beleza e o bem-estar é fundamental para garantir mais tranquilidade neste período

Um momento único e especial, mas que também envolve uma série de transformações físicas e emocionais na mulher. Assim é a gestação. Administrar uma gravidez requer uma série de cuidados com a saúde da gestante e do bebê e, diga-se de passagem, com a beleza da futura mamãe também.

Segundo a dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia Regional São Paulo (SBD-SP) e responsável pelo ambulatório de Dermatologia da Gestante, Puérpera e Criança da Universidade de Santo Amaro, Dra. Flávia Ravelli, no geral, a gestante deve manter uma rotina de skincare básica, usando um higienizador para seu tipo de pele, hidratante e protetor solar. Lavar o rosto duas vezes ao dia e usar um produto que remova mais efetivamente poluição e maquiagem (como uma água micelar, por exemplo), ajudam a evitar acúmulo de células mortas, acne, manchas e envelhecimento precoce.

“A hidratação ajuda a manter a pele saudável e desempenhando bem todas as suas funções, além de impedir que agentes do ambiente penetrem na pele e provoquem infecções e alergias. E o protetor solar previne o surgimento de manchas nesse período”, recomenda a Dra. Flávia.

Problemas comuns

Entre as alterações de pele mais comuns na gestação está o melasma, que são as manchas escuras no rosto. “As manchas são desencadeadas por alterações hormonais e também pela exposição solar excessiva”, diz a Dra. Flávia. Ela afirma que protetor solar com cor de maquiagem ajuda a proteger mais contra a luz visível, um tipo de luz que pigmenta a pele.

Outro desejo das gestantes é prevenir o surgimento de estrias, sendo que o uso do hidratante é apenas uma pequena parte dessa prevenção. “Engravidar muito jovem predispõe o surgimento das estrias (o colágeno nessa faixa etária é menos elástico e se rompe com mais facilidade, causando as lesões), bem como ganho de peso excessivo e gravidez gemelar”, esclarece.

Atenção às varizes

Além dos problemas na pele, as varizes também são frequentes em grávidas, especialmente se a gestante já apresentava o problema ou tem tendência genética, conforme explica a dermatologista e diretora da Sociedade Brasileira de Dermatologia do Rio de Janeiro (SBD-RJ), Dra. Violeta Tortelly. “Evitar sobrepeso e longos períodos em pé ou fazer uso de meia elástica são armas importantes para algumas pacientes”, diz a Dra. Violeta.

Vale dizer ainda que as varizes são comuns nesse período pela compressão que o útero faz em alguns vasos do corpo, pelo ganho de peso e pela ação de hormônios próprios do período gestacional. “Elas podem ser assintomáticas ou causar desconforto, como inchaço nas pernas, queimação, dor e sensação de peso. Não causam malefícios ao bebê, mas podem ficar inflamadas (flebite) ou até formar úlceras nas mulheres, situações delicadas e que requerem pronto tratamento”, comenta a Dra. Flávia.

Cuidados com os cabelos

Uma queixa comum depois do parto é a queda de cabelo. De acordo com a dermatologista da Clínica Landecker, Dra. Isabela Leiva, esse é um acontecimento muito comum, causado pelo estresse metabólico do parto, além da queda abrupta de hormônios sexuais.

“Essas alterações levam a um tipo de queda de cabelos chamada de eflúvio telogeno. A melhor notícia é que essa queda tem data marcada para ter fim, durante em média quatro meses e que inclusive tente a se resolver sozinha (autolimitada)”, diz.

Ainda falando sobre cabelos, ela comenta que quanto à coloração, o assunto é bastante controverso e vai depender muito da relação entre o médico e a paciente. “Nenhum estudo sobre as substâncias presentes em tinturas e pigmentos envolvem gestantes e apesar de sabermos sobre a presença de compostos teratogênicos, que induzem malformação fetal.

Compostos que contenham amônia, benzeno, formol e metais pesados têm o uso vetado”, afirma a Dra. Isabela.

Atenção aos rótulos

Ao longo da gestação, as mulheres devem estabelecer uma rotina de cuidados, sendo que o ideal é sempre consultar o dermatologista para ter a pele examinada e escolher os ativos mais apropriados para a queixa.

“Como regra, não devem ser usados ácido retinoico e derivados como adapaleno, retinol, retinaldeído, ureia, ácido salicílico e hidroquinona. Os ativos permitidos nos dermocosméticos são: nicotinamida, ácido azelaico, vitamina C, alfahidroxiácidos, ácido glicólico (até 10%), pantenol, vitamina E e óleo de rosa mosqueta”, destaca a Dra. Flávia.

Segundo ela, em relação ao ácido retinoico, por exemplo, existem alguns relatos de casos de embriopatia pelo retinoide (alterações cardíacas, oculares, do sistema auditivo e de membros) relacionado ao seu uso.

“A ureia não deve ser usada, pois aumenta a penetração dos outros ativos na pele, que poderiam causar malefícios se penetrarem em doses não controladas. O ácido salicílico pelo mesmo motivo da ureia e pelo risco de salicilismo na mão, se usado em áreas extensas. Metais pesados pelo risco de intoxicação materna e fetal (chumbo, por exemplo, que pode estar presente em algumas tinturas capilares)”, alerta a especialista da SBD-SP.

Foto: Shutterstock
Fonte: Guia da Farmacia

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print