fbpx

NRF 2020: macrotendências para o varejo ficar de olho

Destaques do evento foram exibidos pelo Grupo GS& Gouvêa de Souza, durante o road show RETAIL TRENDS

O Grupo GS& Gouvêa de Souza promoveu ontem (06), em São Paulo, o road show RETAIL TRENDS com o time de especialistas da consultoria, com o intuito de extrair os conceitos e macrotendências mais relevantes da convenção do NRF Retail´s Big Show, maior evento de varejo do mundo, realizado, anualmente, em Nova York.

O encontro, realizado no Expo Center Norte, foi dirigido a quem não teve a oportunidade de acompanhar a NRF, mas gostaria de ficar por dentro de todas as tendências do varejo. Acompanhe, a seguir, alguns insights.

Macrotendências #1. Inteligência de dados

O uso de dados na estratégia de negócios se tornou um grande diferencial competitivo. Assim, aplicativos têm usado esse conceito com sucesso.

São exemplos o Spotify, que sugere músicas a partir das últimas canções ouvidas; e Netflix, que recomenda filmes e séries com base nas escolhas do usuário.

Alguns e-commerces também têm usado dados com sucesso, com sugestões no estilo “pessoas que compraram tal produto, também compraram este”.

Mas essa realidade também pode ser aplicada às lojas físicas. “Tudo o que acontece na loja física deve se torar métrica e ação”, aponta o sócio-diretor da GS&UP, Caio Camargo.

As novas tecnologias, inclusive, têm ajudado nessa realidade, por meio de sensores e câmeras que entregam informações sobre rupturas ou da jornada de compras no consumidor. É importante, assim, que as empresas criem uma cultura de dados, conforme aconselha Camargo.

“Na Fórmula 1, por exemplo, frações de segundos podem ser determinantes para a vitória. E não dá para ser vencedor sem dados. Quem não colhe dados, só acelera, mas não dirige”, indica.

Ademais, na era dos dados, até mesmo os vendedores são beneficiados. Algumas tecnologias já mostram quanto tempo o consumidor ficou em uma determinada gôndola, facilitando identificar onde estão as necessidades daquele cliente.

Macrotendências #2. Tecnologia em prol dos negócios

macrotendências e vending machines

Realidade aumentada para organização do depósito e área de vendas; provadores virtuais que ajudam o consumidor a encontrar a peça de roupas ideal; robôs que detectam rupturas ou erros de preço; scanners com capacidade ampla de leitura de códigos de barras sem a necessidade de leitores individuais; vending machines trazendo soluções autônomas para gerenciar produtos e categorias sem a intervenção humana…

Todas essas soluções, que antes eram consideradas futuristas, hoje são uma realidade do varejo e tem ajudado nos resultados e satisfação do consumidor.

Mas para tanto, por aqui, ainda é preciso vencer barreiras culturais. “Os brasileiros ainda se assustam com a tecnologia”, pondera a CSO da GS&MD Conteúdo e Relacionamento, Beth Furtado. Mas esse cenário não pode ser ignorado diante das novas demandas do consumidor.

“No caso das entregas das compras por e-commerce, por exemplo, o consumidor está cada vez menos tolerante com o tempo de espera. E a tecnologia, seja com drones ou carros elétricos, pode ajudar nesse sentido”, pontua.

Macrotendências #3. Varejo em tempo real

macrotendências e voice commerce

Com os comandos de voz em alta, o voice commerce passa a ser uma realidade e trazer naturalidade às compras. “O voice commerce não é um canal de vendas, é uma oportunidade natural de criar um relacionamento duradouro.

Com ele, varejo e indústria serão prestadores de serviços. Além disso, marca uma era de confiança, já o consumidor terá de acreditar no assistente pessoal e as compras acontecerão numa conversa”, analisa a sócia-diretora do Grupo Bittencourt, Lyana Bittencourt.

Macrotendências #4. Experiência além da compra

Uma pesquisa realizada pela Salesforce aponta que 84% dos clientes acham que a experiência no ponto de venda é mais importante do que produtos ou serviços.

Seguindo este compasso, grandes varejistas norte-americanas, como a Nordstrom, faz os ajustes das roupas dos clientes que vão retirar na loja físicas as compras feitas online (ou trocam a peça caso não fique como o esperado).

A prestação de serviços vai ainda além: a loja também ajusta as peças compradas em outras lojas, personaliza roupas ou faz embrulhos para presentes (mesmo que a compra não tenha sido feita na Nordstrom).  O sócio-diretor da GS&Consult, Alexandre Machado, apontou cinco conceitos que estão remodelando a experiência do consumidor. Entre eles:

  • Ponto de vendas mágico: consumidores esperam que as lojas sejam um ponto de experiência incrível
  • Varejo profundo: que entenda o consumidor melhor do que eles mesmos.
  • Cultura: a cultura da empresa é o reflexo da marca.
  • A-Commerce: da descoberta do produto ao consumo, sem fricção.
  • Marketing: o marketing inclusivo não é mais suficiente. Deve-se entregar a verdadeira diversidade.

Macrotendências #5. Pagamento instantâneo

“A digitalização efetiva do dinheiro é outra grande realidade. Nesse sentido, as transações são feitas em tempo real, e com a comodidade e interoperabilidade com qualquer outro cliente ou instrumento de pagamento”, disse o sócio da AJ Blasques Consultoria, Arnaldo Blasques.

Os pagamentos instantâneos permitirão que qualquer pessoa com um smartphone faça com que o dinheiro caia na conta do recebedor em poucos instantes.

O sistema dispensa maquininhas de cartão e os próprios caixas eletrônicos. O funcionamento será via QR Code, em que um smartphone emite, por meio de um aplicativo, e o outro lê e finaliza a transferência da quantia.

Macrotendências #6. Open banking

Este modelo, que visa promover o compartilhamento das informações financeiras dos usuários, também se reforça como tendência.

Nesse conceito, os dados dos usuários são utilizados por instituições bancárias, fintechs e outras companhias do setor financeiro, como se fosse um banco aberto. E cabe ao cliente permitir ou não o acesso a suas informações financeiras.

“Nesse modelo, o cliente estará no centro das atenções, podendo acessar dados de quaisquer bancos por meio da plataforma mais conveniente”, afirma a sócio-diretora da Mosaiclab, Karen Cavalcanti.

Fonte: Guia da Farmácia

Fotos: Guia da Farmácia/ Shutterstock

Pós-NRF com Mulheres do Varejo mostra tendências no setor

 

 

 

Deixe um comentário