Destaques & lançamentos

A prevenção da osteoporose começa na juventude

O risco de quedas e consequentes fraturas assustam os idosos – e principalmente as mulheres – que sofrem com a doença decorrente da falta de cálcio ou vitamina D. A prevenção começa na juventude

O atendimento aos idosos revela uma preocupação bastante recorrente: cair e fraturar um osso. Claro, existe a fragilidade normal da idade, mas uma doença silenciosa pode piorar ainda mais a situação: a temida osteoporose.

Ela é uma doença sistêmica caracterizada por menor massa óssea e alterações em sua microarquitetura, levando à fragilidade do esqueleto e ao maior risco de fraturas, segundo a definição da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ou seja, a fratura é a principal consequência clínica da doença.

“Quando a perda de massa óssea é pequena, é chamada de osteopenia, e quando ela é mais relevante, é denominada osteoporose. O paciente pode ter osteopenia e mantê-la sob controle a vida inteira, ou a doença pode evoluir para o quadro mais grave”, explica o ortopedista da BP – A Beneficência Portuguesa, de São Paulo, Dr. Fabiano Nunes.

Além de perigosa, a osteoporose é assintomática. Seus sinais podem passar despercebidos por muitos anos e, normalmente, os casos são diagnosticados em uma fase mais adiantada da doença, quando o paciente já apresenta fraturas por fragilidade.

Para diagnosticá-la, é necessário fazer um teste de densitometria óssea, que detecta a redução da massa óssea. O resultado, medido com “T-Score”, é interpretado da seguinte maneira:

  • Normalidade: 0 a -1,0 DP (desvio-padrão);
  • Osteopenia: -1,0 a -2,4 DP;
  • Osteoporose: -2,5 ou menos.

A principal causa da osteoporose é a diminuição do nível de estrógeno, motivo pelo qual as mulheres na menopausa são o grupo de maior risco. Ainda que não exista uma estatística 100% correta, estima-se que a cada quatro mulheres, um homem é acometido.

Mas elas não são a única preocupação. De acordo com a endocrinologista do Hospital Santa Catarina, Dra. Priscila Cukier, a desnutrição, principalmente com baixa ingestão e/ou absorção de cálcio, e a hipovitaminose D, também são importantes causas, além de outras doenças, como hipertireoidismo, hiperparatireoidismo, artrite reumatoide, hipogonadismo, o uso de algumas medicações, tabagismo e etilismo.

“A incidência é maior em mulheres e na população branca, em relação a outros grupos raciais. Além da idade e da deficiência dos hormônios sexuais, tanto em homens quanto em mulheres, outros fatores de risco incluem: antecedente familiar de osteoporose; baixo peso; menopausa precoce; doenças crônicas que tenham acometido jovens dos dez aos 18 anos de idade (fase mais importante para a aquisição da massa óssea); dieta pobre em leite e derivados; tabagismo; alcoolismo; sedentarismo; doenças renais, hepáticas e pulmonares crônicas; quimioterapia; AIDS; e doenças intestinais de má absorção”, complementa a coordenadora do Núcleo de Saúde Óssea do Hospital Sírio-Libanês, Dra. Cynthia Maria Álvares Brandão.

Prevenindo desde cedo

A prevenção da doença acontece muito antes dela ser um risco. A reserva de massa óssea é feita até aproximadamente os 30 anos de idade, segundo o Dr. Nunes, e é ela que ajudará os ossos a não enfraquecerem na terceira idade. Em geral, três fatores são importantes: a ingestão de cálcio regularmente, o nível de vitamina D adequado e a prática de atividade física de carga, como caminhadas. Fazer exercícios na piscina, por exemplo, apesar de fortalecer os músculos, não são tão úteis para a saúde óssea.

Isso porque o corpo usa o cálcio para diversas coisas, sendo o principal reservatório o osso. É necessário ingerir cálcio para que o corpo não precise usar o que está “guardado” no osso. E, para que ele seja absorvido pelo organismo, depende da vitamina D. Em resumo, a ingestão correta de vitamina D é tão importante quanto a do cálcio.

Os números da osteoporose

Cerca de 10 milhões de pessoas sofrem com a doença no Brasil.

Além disso, de cada 3 pacientes que sofreram fratura no quadril, 1 teve diagnóstico de osteoporose.

Aproximadamente 40% das mulheres caucasianas são acometidas pela doença e, entre a população caucasiana, e 1 a cada 8 homens terá uma fratura osteoporótica a partir dos 50 anos de idade.

Fontes: coordenadora do Núcleo de Saúde Óssea do Hospital Sírio-Libanês, Dra. Cynthia Maria Álvares Brandão; endocrinologista do Hospital Santa Catarina, Dra. Priscila Cukier; e Fundação Internacional da Osteoporose (IOF)

“A recomendação da OMS é de que crianças de um a dez anos de idade ingiram cerca de 1 mg de cálcio ao dia; dos 11 aos 18 anos, que é a fase crítica de massa óssea, cerca de 1.200 mg; e os adultos, 120 mg. O cálcio está presente, basicamente, no leite e em seus derivados”, complementa a Dra. Cynthia.

Já a atividade física estimula a formação óssea e fortalece a musculatura e, consequentemente, o esqueleto. Recomenda-se que a criança e o adolescente tenham uma vida bem ativa, seja qual for a atividade ou esporte praticado. Aos adultos, são indicados exercícios com peso e de impacto, como correr, caminhar e pedalar.

E ainda que isso não pareça importante na juventude, a osteoporose é um dos principais fatores que levam à fratura óssea em idosos, o que leva à enorme morbimortalidade, com importante impacto na qualidade de vida. De acordo com a Dra. Priscila, em torno de 40% das pessoas com osteoporose sofrerão alguma fratura de fragilidade na vida.

“A fratura femoral é a mais temida complicação da doença, pois resulta em grande morbidade (dor, deformidade e incapacidade física) e mortalidade, com enormes repercussões socioeconômicas. Sua incidência tem aumentado em todo o mundo, em função da maior sobrevida e do envelhecimento da população mundial”, alerta a coordenadora do Hospital Sírio-Libanês.

Há heterogeneidade no risco de fraturas em diferentes países, sendo que na Europa, os países do norte chegam a ter uma incidência dez vezes maior do que os países do Mediterrâneo. As razões para esta variação estão relacionadas a fatores genéticos e hábitos de vida, como níveis de atividade física e de exposição solar (diretamente ligada à vitamina D). A mortalidade no primeiro ano após uma fratura de fêmur em um idoso pode chegar a 20% e metade dos pacientes não voltará a andar sem auxílio.

O tratamento

O primeiro passo para que o paciente possa se tratar é definir a causa da osteoporose. O ortopedista da BP exemplifica dizendo que se a doença acontece por deficiência de ingestão de cálcio, será receitada a suplementação com o mineral. Se o problema é a vitamina D, será a suplementação da vitamina. Se há uma deficiência de cálcio por um problema que não seja a menopausa, precisa tratar a doença que está causando a deficiência.

Existem medicamentos que ajudam a “puxar” o cálcio para dentro do osso e algumas mulheres acabam fazendo terapia hormonal, principalmente quando entram na menopausa precoce, mas a alternativa pode causar muitos efeitos colaterais.

Normalmente, o tratamento é feito por toda a vida. Porém, depois de um período de aproximadamente cinco anos, o medicamento puxa tanto cálcio para dentro do osso que cria uma matriz de colágeno que o deixa como uma cerâmica – extremamente duro, mas que quebra fácil. Então o medicamento é dispensado por um tempo, mas depois é retomado seu uso.

“Mas, além do tratamento medicamentoso, o diagnóstico precoce, a mudança de hábitos de vida e o controle de outras doenças que provocam perda óssea são fatores importantes na evolução da osteoporose. Cerca de 90% das fraturas em idosos acontecem em casa. Desta forma, evitar pisos e tapetes escorregadios, não andar pela casa no escuro, descer escadas sempre apoiado no corrimão, usar sapatos adequados, ter apoios no chuveiro, utilizar bengala ou andador são medidas úteis”, finaliza a Dra. Cynthia.

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Oferta de benefícios

Edição 318 - 2019-05-15 Oferta de benefícios

Essa matéria faz parte da Edição 318 da Revista Guia da Farmácia.