Perguntas e respostas sobre a caxumba

Doença é altamente contagiosa; saiba como orientar o consumidor

O número de casos de caxumba registrados neste ano no Estado de São Paulo já é o maior desde 2008, segundo balanço do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria Estadual da Saúde.

Por isso é necessário orientar sobre a doença, para que o consumidor possa se prevenir:

1 – O que é a caxumba?

É uma doença viral e altamente contagiosa transmitida por gotículas de saliva ou por contato com a saliva contaminada, como em talheres ou por beijo.

2 – Quais são os sintomas?

O mais conhecido é o inchaço nas glândulas salivares, principalmente as parótidas. Os pacientes podem ter febre, náuseas, dor no corpo e dor de cabeça. Mas 30% a 40% das pessoas não apresentam sintomas.

3 – Como é feito o diagnóstico?

Os sintomas ajudam no diagnóstico, mas exames como sorologia e ultrassonografia são indicados para confirmar a contaminação.

4 – Qual é o período de incubação?

Em geral, o período de incubação é de 16 a 18 dias, mas há casos em que pode chegar a 25 dias.

5 – É uma doença contagiosa?

Sim. A caxumba pode ser facilmente transmitida por gotículas de saliva e uma pessoa contaminada pode passar o vírus mesmo antes de começar a manifestar os sintomas.

6 – Por que os homens costumam ficar mais preocupados com a doença?

Fala-se que a “caxumba pode descer” em homens, que é quando há uma inflamação nos testículos. Essa consequência da caxumba costuma ser bastante incômoda por causar aumento da bolsa escrotal e dor na região. Geralmente, é necessário utilizar um tipo de suspensório com tecido médico para segurar os testículos. Em 5% dos casos, o homem pode apresentar infertilidade após ter a doença. É raro que esse tipo de inflamação ocorra nos ovários, no caso das mulheres.

7 – Quais são as complicações que os pacientes podem ter?

Em alguns casos, o paciente pode evoluir para quadros de meningite, encefalite e pancreatite.

8 – Como é feito o tratamento?

Como não há medicação específica para a doença, as recomendações são repouso e hidratação. Os médicos costumam receitar analgésicos e anti-inflamatórios.

9 – Quais cuidados devem ser tomados para evitar a contaminação de outras pessoas?

É fundamental não ir ao trabalho, à escola e demais locais públicos após receber o diagnóstico. O paciente não deve compartilhar talheres, pratos e copos, e deve lavar as mãos.

10 – Como evitar a contaminação com o vírus?

A principal recomendação é tomar a vacina. São necessárias duas doses para ter a imunização completa. Também é importante evitar locais com aglomeração.


Fontes: Graziella Hanna Pereira, infectologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos; Ralcyon Teixeira, médico infectologista e supervisor do pronto-socorro do Emílio Ribas;

Raquel Muarrek, infectologista do Hospital Leforte; Ministério da Saúde

Foto: Shutterstock 

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário