Cimed quer fazer pesquisas de medicamentos no espaço

Segundo o presidente da Cimed, João Adibe, com iniciativas como essa, ideia é que empresa passe a ser vista também como uma companhia de saúde e tecnologia

A Cimed, vai para o espaço. A empresa separou R$ 300 milhões para investimentos em pesquisa e desenvolvimento para os próximos cinco anos e um dos projetos mais ousados da companhia é levar a proteína do vírus Sars-Cov-2 para estudos acima da órbita da Terra. A ideia é fazer com o que o desenvolvimento científico se torne uma das forças da empresa, que planeja acelerar a elaboração de medicamentos.

Isso porque, de acordo do João Adibe, presidente da Cimed, as ações gravitacionais ajudam a diminuir o tempo do desenvolvimento dos remédios.

No caso do vírus da Covid-19, o objetivo é revelar a estrutura anatômica dele para desenvolver drogas que ajudem a reduzir a replicação do vírus.

Isso acontece por meio da cristalização de proteínas no espaço, algo que já é feito há mais de duas décadas pela indústria.

No fim das contas, com projetos como esse, a Cimed quer, portanto, ser vista como uma empresa não só de medicamentos, mas de saúde e de tecnologia.

“O nosso olhar de longo prazo é nos transformar em uma healthtech e mostrar onde a indústria brasileira pode chegar”, afirma Adibe.

Para realizar essas pesquisas, a empresa fez uma parceria com a companhia de logística Airvantis, que vai ser, então, a responsável por levar os materiais para o espaço, assim como o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, que é uma organização social ligada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações para viabilizar o projeto, que foi nomeado de Cimed X.

Cimed de olho na saúde

De acordo com Adibe, esse tipo de iniciativa ajudará a empresa a criar mais produtos com o foco, portanto, na longevidade.

Dessa maneira, a empresa parte da premissa, vista em todo o setor, que o envelhecimento da população demandará mais medicamentos e vitaminas para essas pessoas.

Por isso, a companhia está próxima de inaugurar uma fábrica de R$ 300 milhões na região de Pouso Alegre (MG).

Desta maneira, portanto, a fabricante conseguirá ampliar a sua capacidade produtiva de 28 milhões para 40 milhões de comprimidos por mês.

Já no futuro, portanto, a ideia é alcançar os 60 milhões.

Com isso, a empresa quer seguir aumentando o faturamento.

No ano passado, atingiu vendas de R$ 2 bilhões, sendo 65% vindas dos medicamentos e 35% de outros produtos de consumo, como vitaminas e itens de higiene e beleza.

Para este ano, então, Adibe acredita que a empresa vai chegar a R$ 2,3 bilhões. Já em 2023, a ideia é chegar ao terceiro bilhão.

Lourival Stange, especialista na indústria farmacêutica e sócio da consultoria Solution, chama a atenção para alguns pontos da Cimed.

Como por exemplo, o fato de ter o seu próprio centro de bioequivalência, o que permite uma velocidade maior para a criação de medicamentos genéricos.

“Se o laboratório é bom e creditado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), isso traz uma vantagem competitiva muito grande para a empresa”, afirma Stange.

Fonte: Estadão

Foto: Cimed

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário