Destaques & lançamentos

Demanda por remédios para hipertensão cresce 15,24% no país

A redução das restrições da pandemia pode estar relacionada com o fenômeno

Levantamento feito pela InterPlayers, com base em seu próprio banco de dados, mostra que entre abril de 2021 e março de 2022 as farmácias venderam, em média, 15,24% mais remédios para hipertensão do que nos 12 meses anteriores.

A saber, o estado de São Paulo, que lidera a demanda por esse tipo de remédio, registrou a maior alta no período, 18,32%.

Já o o Rio Grande do Sul aparece na segunda posição em termos de crescimento (16,96%) e o Rio de Janeiro, que é vice-líder em vendas de remédios para hipertensão, apresentou o terceiro maior crescimento (13,69%), seguido pelo Paraná (13,64%) com pouca diferença.

As unidades da federação que apresentaram as menores elevações foram o Rio Grande do Norte (6,48%) e a Paraíba (5,23%).

Em 17 de maio é celebrado o Dia Mundial da Hipertensão. Uma data muito importante para conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico preventivo e do tratamento da doença. Principalmente ao levar em consideração o aumento da procura por medicamentos contra esse mal.

A hipertensão mata cerca de 10 milhões de pessoas por ano no mundo.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), cerca de 30% dos brasileiros são hipertensos. Trata-se de uma doença crônica não transmissível, que é caracterizada, portanto, pela elevação sustentada dos níveis de pressão arterial.

Por ser assintomática, a hipertensão costuma evoluir com alterações estruturais e funcionais em determinados órgãos, como coração, cérebro, rins e vasos sanguíneos.

É também o principal fator de risco para doenças cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC), doença renal crônica e morte prematura.

Fatores de risco para a doença

Obesidade, histórico familiar, estresse, cigarro, sedentarismo, hábitos alimentares inadequados e envelhecimento estão associados ao desenvolvimento da hipertensão arterial.

“Nos últimos dois anos, por causa da pandemia, as pessoas adotaram isolamento social e muitas consultas foram canceladas ou nem mesmo agendadas. Com isto, tratamentos foram, então, interrompidos e novos casos deixaram de ser diagnosticados. Com a redução destas restrições muitas pessoas retomaram seus tratamentos e novos pacientes tiveram o diagnóstico e isto pode justificar tal variação”, analisa o gerente de Inteligência Comercial, da InterPlayers, Ilo Souza.

Fonte: InterPlayers

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário