No Dia Nacional da Epilepsia, o preconceito não entra

Em comemoração ao Dia Nacional e Latino-americano de Conscientização sobre a Epilepsia, Associação Brasileira de Epilepsia explica mais sobre a doença

Uma crise epilética pode, a princípio, assustar e gerar preconceito. Justamente por conta dessa falta de conhecimento sobre a enfermidade a Associação Brasileira de Epilepsia (ABE) aproveita o Dia Nacional e Latino-americano de Conscientização sobre a Epilepsia, comemorado hoje, para apresentar explicar aspectos que ainda geram confusão na sociedade.

Apenas na América Latina, a epilepsia atinge quase 8 milhões de pessoas, segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), e a falta de conhecimento sobre a enfermidade ainda é um problema. Para a Presidente da ABE, Maria Alice Susemihl, a informação é o melhor caminho para essa mudança. “O preconceito surge, principalmente, por conta da falta de informação, o que torna tão importante a conscientização social sobre a doença. Saber o que é de fato a epilepsia e como ajudar alguém durante uma crise é algo básico para a vida dos seres humanos”, diz.

É essencial saber que:

A epilepsia é uma doença neurológica, ou seja, acontece quando um grupo de neurônios não apresenta um funcionamento normal, gerando assim, descargas excessivas. É como se ocorresse um “curto-circuito” no cérebro.

  •  A maioria dos pacientes com epilepsia têm inteligência absolutamente normal

Apenas uma pequena parcela das pessoas pode apresentar alguma dificuldade mental, porém, a epilepsia não é a causa.

  •  A doença não é contagiosa

É impossível adquirir epilepsia apenas tendo contato com uma pessoa que tenha a doença, e dessa forma, o contato com a saliva não vai resultar em transmissão. Qualquer ser humano, independentemente da idade, pode ter uma crise epiléptica e o estresse elevado pode ser um dos motivos.

  • Nem toda convulsão é epilepsia

A crise convulsiva tem abalo motor, ocorrendo tremores no corpo, e nem toda crise epiléptica apresenta isto. Para que uma pessoa seja diagnosticada com epilepsia, vários episódios precisam acontecer. Como por exemplo, alteração de comportamento, olhar parado, movimentos automáticos e até mesmo crises de ausência.

Tem cura?

  •  Medicamentos podem controlar as crises epilépticas

Na maioria dos casos (70%), é fácil a epilepsia ser totalmente controlada com o uso de medicamentos e acompanhamento médico, portanto, permite uma vida com poucas ou nenhuma restrição. É importante ressaltar que, quando ocorrem crises, as medicações devem ser mantidas nos horários e nas dosagens receitadas pelo médico.

  • Dependendo do caso, a cura da epilepsia é possível 

Existem cirurgias que retiram a causa das crises, porém, o acompanhamento médico é fundamental, pois cada caso é um caso.

  • Existem maneiram corretas de falar e escrever alguns termos

O certo é crise epiléptica e não epilética. Além disso, não é correto dizer que uma pessoa é epiléptica ou que é portadora de epilepsia, e sim, que é uma pessoa com epilepsia.

Dizer pacientes epiléticos, além de pejorativo, é errado. O correto é: pacientes com epilepsia ou pessoas com epilepsia.

Primeiros socorros  

O primeiro passo é manter a calma e colocar a pessoa deitada de lado, para facilitar a saída de possíveis secreções. Além disso tem que tirar de perto todos os objetos perigosos que podem ocasionar ferimentos e não inserir nada dentro da boca do indivíduo, pois há o risco de asfixia, na tentativa de segurar a língua. Por consequência, não pode dar nada para a pessoa beber e nem jogar água em seu rosto naquele momento – apenas espere a respiração voltar ao normal e ela querer levantar.

Como agir?

Se a crise epilética durar muito tempo é preciso chamar  uma ambulância, se for seguida de outras ou se a pessoa não recuperar a consciência.

Foto: Divulgação

Fonte:  Associação Brasileira de Epilepsia

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário