Gerenciamento de Categorias de MIPs ganham força em associativistas

Projeto da Febrafar incentiva tirar os Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs) de trás do balcão e melhorar o gerenciamento da categoria

O Gerenciamento de Categorias de Medicamentos Isentos de Prescrições (MIPs) nas farmácias das redes associadas à Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar) é foco de um amplo projeto que teve início em 2018. Em 2019 as ações ganharam ainda maior relevância através da ampliação de redes participantes e aprimoramento desses trabalhos.

O gerenciamento de categorias parte da ação de desconfinar o MIP, ou seja, tirar esse grupo de medicamento de trás do balcão e alocar de forma organizada e funcional no autosserviço das lojas (nas prateleiras e gôndolas). Assim, possibilitando uma melhor experiência para o shopper.

A relevância desses produtos é clara, representando sozinho mais que 40% das vendas do autosserviço da farmácia. Entretanto, apesar dessa relevância, as farmácias ainda mantinham esses produtos atrás do balcão, conforme estudo realizado pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa (IFEPEC) que impulsionou a criação desse projeto.

De acordo com a diretora comercial da Febrafar, Karen Corridoni, o projeto-piloto teve início no interior de São Paulo (SP), com um total de 192 participantes de dez redes da Febrafar. “Para a viabilidade, foram contratados coordenadores e consultores, estes últimos eram responsáveis pela visita às lojas e a ‘virada dessas’. Ou seja, processo de levar os MIPs de trás para frente dos balcões”.

Gerenciamento dos MIPs

Com as alterações implementadas se observou uma melhor experiência para o shopper, possibilitando que essas farmácias obtenham um ticket médio de venda maior. O projeto contou com o apoio da Hypera, Sanofi, Pfizer e IQVIA.

De acordo com a consultora de Gerenciamento de Categoria (GC) da Febrafar, Sara Luiza Amaral, o desconfinamento é de extrema relevância para o setor. “Isso pelo fato de que o posicionamento adequado dos produtos beneficia toda a cadeia, facilitando a jornada do shopper, fomentando mais negócios para o varejo e impulsionando a categoria do produto pela ótica das indústrias”, avalia.

A visibilidade do projeto foi tão positiva que outras redes buscaram entender melhor o Gerenciamento de Categorias nas farmácias. Assim o projeto passou por ajustes em seu modelo, com a rede contratando o consultor e a Febrafar os coordenadores. Atualmente, esse novo modelo de projeto conta com mais 15 redes participando (além das que iniciaram), tendo o apoio da Interplayers, Hypera, IQVIA e Sanofi.

Foto e fonte: Febrafar

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário