Azia e má digestão: consequências do estilo de vida

Registro dos problemas envolvem alimentação, mal-estar, sensação de estufamento, dor no peito, entre outras características importantes

Aproximadamente 40% da população brasileira sofre por episódios de azia e má digestão*, sintomas relacionados à Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRG). “Hábitos alimentares, como consumo excessivo de café e chocolates e alimentos gordurosos; uso de alguns medicamentos; além do tabagismo, bebidas alcoólicas e obesidade podem ser gatilhos para estes problemas”, sinaliza o médico gastroenterologista e hepatologista do Hospital Santa Cruz, Dr. Humberto Saconato.

A azia é classificada como queimação no trajeto do esôfago, normalmente associada à alimentação e ao gosto amargo ou ácido na boca. “Geralmente, o paciente com pirose reclama de queimação, principalmente, na região abdominal alta, frequentemente com sensação de refluxo de conteúdo ácido para a região por trás do esterno, gerando sensação de queimação na garganta”, detalha o Dr. Saconato.

Tratamentos medicamentosos para quadros leves

ANTIÁCIDOS

Estes medicamentos reduzem a produção de ácido clorídrico pelo estômago. Eles não necessitam de prescrição médica e são, geralmente, utilizados para alívio dos sintomas.

Antiácidos são líquidos ou pastilhas à base de hidróxido de magnésio ou de alumínio, bicarbonato de sódio ou carbonato de cálcio. São substâncias de natureza básica, que atuam apenas neutralizando o ácido secretado pelas células do estômago.

Devem ser utilizados, principalmente, no tratamento de episódios curtos e autolimitados de hiperacidez gástrica ou como auxiliares no tratamento das úlceras e do refluxo gastresofágico. No entanto, se os sintomas persistem apesar do uso desses medicamentos, é sempre recomendável procurar um médico para uma melhor avaliação e realização de exames complementares sempre que indicado1.

Os antiácidos têm eficácia imediata, uma vez que rapidamente reagem com os ácidos do estômago, neutralizando-os2. Alguns ativos, como o hidróxido de magnésio, podem ser utilizados, por adultos e crianças a partir de dois anos3.

ANTIÁCIDOS X INIBIDORES DA BOMBA DE PRÓTONS (IBPs)

Os antiácidos apenas neutralizam a secreção ácida, enquanto medicamentos como a ranitidina e o omeprazol efetivamente reduzem a produção de ácido clorídrico pelas células do estômago.

Apesar de ambos atuarem diminuindo a secreção ácida do estômago, os mecanismos celulares são diferentes.

O omeprazol pertence à classe dos Inibidores da Bomba de Prótons (IBPs), enquanto a ranitidina é um antagonista do receptor de histamina tipo 2.

A resposta esperada é o alívio da azia, da queimação e do desconforto estomacal (má digestão e sensação de empachamento).

O tempo de resposta de ambos os medicamentos dependerá da intensidade dos sintomas, mas costuma ser relativamente rápido no alívio da azia e queimação do estômago, logo nos primeiros dias de tratamento1.

O MAIS USADO PELA POPULAÇÃO

O sal de fruta é um dos tratamentos mais recorrentes entre a população que busca tratamentos para os sintomas do refluxo: cinco em cada 10 o fazem quando sentem algum destes desconfortos.

Contudo, dependendo da frequência e da gravidade dos sintomas, ele pode não ser eficiente porque possui apenas ação imediata e passageira. Depois de um tempo de uso, o medicamento aumenta o pH do estômago, estimulando efeito rebote com a produção de mais acidez, podendo agravar os sintomas do refluxo4.

SABOR DOS MEDICAMENTOS PODE AUMENTAR A ADESÃO

Alguns medicamentos, como antiácidos, têm sabores, como abacaxi, menta, limão, laranja ou guaraná, por exemplo.

Esses aromas ajudam apenas na melhor palatabilidade, principalmente dos antiácidos, e não têm função terapêutica, mas podem ajudar o paciente a aceitar melhor o tratamento e, portanto, a melhorar a adesão1.

ORIENTAÇÕES AO PONTO DE VENDA

A farmácia deve facilitar a navegação do shopper de Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs) para que ele encontre com maior facilidade os produtos de seu interesse e tenha mais tempo para interagir com essa ou outras seções da loja.

Por esse motivo, é essencial que os MIPs sejam expostos no autosserviço, ao alcance dos shoppers.

Por ser um mercado composto por muitos produtos e um espaço em gôndola relativamente pequeno, o sortimento cadastrado em loja deve ser assertivo, ou seja, conter as principais marcas do mercado, variedade de apresentações, tamanhos de embalagens, e as novidades de mercado, visando atender às principais necessidades do shopper2.

DIFERENÇAS NAS APRESENTAÇÕES DE ANTIÁCIDOS E DIGESTIVOS

  • Pós efervescentes e líquidos: tendem a atuar mais rápido do que as pastilhas e os tabletes, uma vez que o princípio ativo já está solubilizado e pronto para agir5.
  • Pastilhas e tabletes: precisam se dissolver no estômago para começar a ação, podendo levar um pouco mais de tempo. Podem ser úteis para mascarar algum sabor que possa ser inconveniente na formulação líquida6.

Fontes: 1. União Química; 2. Assessoria de imprensa Hypera; 3. Aspen Pharma; 4. Pesquisa da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG) sobre o impacto do refluxo gastroesofágico na população brasileira (2018); 5. Artigo “Effervescent tablets: a safe and practical delivery system for drug administration”, 2016; e 6. Livro “Ansel’s Pharmaceutical Dosage Forms and Drug Delivery Systems”

Já a má digestão, como o nome sugere, é aquela sensação de que o alimento fica parado na região abdominal alta. “O problema se caracteriza por sintomas com estufamento, sensação de plenitude precoce e dor no estômago”, define o gastroenterologista do Hospital Villa Lobos, Dr. Ricardo Staffa.

O estilo de vida e alimentação, de modo geral, estão amplamente relacionados à origem dos sintomas. “Os pacientes que apresentam azia e má digestão, geralmente, são sedentários, com hábitos alimentares ruins, que ficam por tempo prolongado em jejum, abusam de gorduras, frituras, fast-foods e alimentos industrializados. O hábito do tabagismo e etilismo também é recorrente”, enumera o Dr. Staffa.

Cuidados com a alimentação

DEZ ALIMENTOS CONSIDERADOS GATILHOS PARA AZIA E MÁ DIGESTÃO

  • Frituras no geral, alimentos ricos em gordura e óleos em excesso.
  • Chocolates.
  • Massas.
  • Alimentos fermentativos, como feijão.
  • Fast-foods.
  • Temperos e molhos ricos em produtos químicos, além de extratos de tomates.
  • Enlatados.
  • Bebidas ricas em gás, como refrigerante.
  • Bebidas ricas em cafeína e bebidas alcoólicas.
  • Fontes de carboidratos em geral.

O QUE ESTES ALIMENTOS PODEM PROVOCAR?

Estes alimentos relaxam o sistema de esfíncter esofageano inferior, favorecendo que o conteúdo gástrico vá para o esôfago ou lentificando o esvaziamento gástrico.

Assim, provocam-se sintomas irritativos na mucosa do trato digestivo, gerando dor e fermentação. Aumenta-se, ainda, a produção de gazes no corpo, levando a distensão e sintomas de estufamento.

Além disso, algumas substâncias agem no estômago e esôfago, levando o paciente a apresentar sintomas de refluxo. Segundo pesquisa da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), a azia e a queimação são mais recorrentes nas pessoas, 51% e 47% respectivamente, após a ingestão de alimentos específicos.

CUIDADOS ADICIONAIS PARA EVITAR OS SINTOMAS

Além do tratamento individualizado para o paciente, é muito importante a prática de uma alimentação saudável com alimentos naturais e integrais de preferência, não abusar de frituras e gorduras, não ingerir líquidos durante as refeições, não permanecer em jejum prolongado sem necessidade, controle do estresse e a prática rotineira de atividades físicas.

Também é importante não deitar após as refeições.

Fontes: gastroenterologista do Hospital Villa Lobos, Dr. Ricardo Staffa; e gastroenterologista e hepatologista do Hospital Santa Cruz, Dr. Humberto Saconato

As queixas em relação a estes sintomas costumam ser ainda mais frequentes em épocas festivas, como Natal, Ano-Novo ou grandes eventos, como Copa do Mundo. “A prevalência se torna maior devido ao aumento da ingestão de alimentos gordurosos, frituras, e alto índice de carboidratos e álcool”, justifica o especialista do Hospital Villa Lobos.

É importante, contudo, que o paciente saiba diferenciar os quadros leves e graves da doença. Podem ser considerados casos sem gravidade aqueles que ocorrem muito esporadicamente e melhoram sem necessidade de tratamento médico.

Já os quadros mais críticos são aqueles em que o paciente é prejudicado na qualidade de vida, apresentando vômitos e dores intensas após a refeição, presença de sangramento nas fezes ou vômitos, perda de peso ou sinal de carência nutricional, segundo alerta o Dr. Staffa. “Sempre que houver qualquer um desses sintomas, o médico deve ser consultado”, adverte.

*Fonte: dados fornecidos pelo gastroenterologista do Hospital Villa Lobos, Dr. Ricardo Staffa

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Efeito otimizado

Edição 320 - 2019-07-07 Efeito otimizado

Essa matéria faz parte da Edição 320 da Revista Guia da Farmácia.