Destaques & lançamentos

Cinco dicas para uma pele hidratada no inverno

A estação mais fria do ano deixa a pele propensa ao ressecamento e a irritações, por isso os cuidados neste período devem ser intensificados

É fato que, em comparação com os cuidados faciais, muitas vezes a rotina de skincare com o corpo é negligenciada, especialmente durante o inverno. O problema é que, não somente o clima frio, como também outros fatores podem prejudicar a saúde da pele, entre eles, baixa umidade do ar, poluição, alimentação e até estilo de vida adotados nesse período.

Se por um lado a estação climática fica mais propícia para estender o tempo no banho quente, o frio também é um grande atrativo para uma alimentação mais gordurosa. Essas simples atitudes, por exemplo, já são suficientes para estimular a produção sebácea da pele com mais intensidade, resultando em um aspecto oleoso e brilhante.

E o contrário também pode ocorrer: ao invés de oleosa, na estação mais fria do ano, a pele fica sensibilizada e mais propensa a descamação, irritação, aparência opaca e até àquela sensação de aspereza ao toque.

Portanto, é hora de aproveitar a temporada para aumentar as vendas de hidratantes corporais e faciais, alerta a mentoring empresarial, palestrante e consultora de empresas, Silvia Osso. “Usar as pontas de gôndolas e os cestos promocionais é uma ótima estratégia para os produtos sazonais.”

Para compreender os motivos pelos quais é tão importante redobrar os cuidados com a pele no inverno, o Guia da Farmácia convidou a dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), Dra. Bianca Gastaldi, para reunir cinco dicas que contribuem para uma pele saudável na estação. Confira!

1. Beber muita água

Cerca de 70% do organismo é composto predominantemente por água, assim repor adequadamente esse líquido, ou até mesmo incluir chás na rotina, ajuda a manter um aporte equilibrado para a pele. Além disso, é um hábito simples que estimula a hidratação da pele de dentro para a fora.

2. Não tomar banho com água quente

A água quente remove a gordura natural da pele assim como o uso de sabão. Portanto, o ideal é dar preferência àqueles produtos com tecnologia Syndet. Outra dica para manter a boa saúde da pele é tomar banhos curtos e com a temperatura da água de morna para fria.

3. Esfoliar a pele

Se por um lado, esfoliar a pele promove a renovação celular, seja no inverno ou no verão, esse hábito também pode levar ao ressecamento e à irritação. Portanto, a esfoliação deve sempre ser combinada com a aplicação de cremes e ativos próprios para isso.

O melhor jeito de fazer a esfoliação é de forma suave, com movimentos circulares e um pouquinho de pressão nos dedos. Além disso, a escolha do esfoliante tem de corresponder ao tipo de pele e conter substâncias, como ácido salicílico, glicólico, mandélico, entre outros ativos indicados pelo dermatologista.

4. Usar hidratantes após o banho para reforçar a barreira cutânea

Não precisa exagerar na quantidade, mas manter o hábito de hidratar a pele após o banho é o segredo de uma pele saudável.

Além de facilitar a aplicação e o rendimento dos produtos, realizar a hidratação com a pele ainda úmida ajuda na absorção dos cremes. Lembre-se também de que os cremes perfumados nem sempre exercem a função de hidratar, mas de desodorizar a pele.

Em geral, os cremes reparadores de barreira não têm cheiro e nem cor, mas possuem ingredientes como ácido hialurônico e ceramidas.

5. Usar filtro solar e protetor labial

Embora a incidência de raios solares durante o inverno seja menor do que nas outras estações do ano, a proteção solar não pode ser negligenciada. Em países tropicais como o Brasil, os índices de radiação ultravioleta do tipo A e B (UVA e UVB) são altos em todas as épocas do ano. Além de proteger a pele contra o envelhecimento precoce, o uso diário de protetor solar também previne o câncer da pele.

Outra dica é recorrer aos protetores labiais já que essa região é mais vulnerável à ação do dano solar e uma área comum de câncer de pele e dano actínico (feridas e descamação crônicas do envelhecimento solar).

Hidratantes corporais e faciais nas gôndolas

Para garantir bons resultados com essa categoria em tempos de sazonalidade, Silvia aponta algumas dicas que podem ser aplicadas no ponto de venda (PDV). Acompanhe!

Mix ideal de hidratantes corporais e faciais: a definição do sortimento numa farmácia depende de inúmeras variáveis, como perfil e hábitos do consumidor; estratégia do varejista; tamanho e formato da loja; concorrência e fornecedores.

Entretanto, frente às constantes mudanças de hábitos e comportamento do shopper, o processo de definição do sortimento deve ser avaliado, revisado e atualizado continuamente.

Formas de exposição: os cremes e hidratantes para o corpo e rosto devem ficar expostos nas gôndolas da área de vendas. A arrumação pode seguir a linha mais cara para a mais barata ou também do produto mais para o menos rentável da loja, preferencialmente por ordem de uso. Por exemplo, limpeza, tonificante, hidratante, complementos especiais, como creme noturno, e assim por diante.

No caso dos dermocosméticos, a categoria deve ficar exposta na prateleira da área de vendas da perfumaria. Se possível, bem ao lado da área de medicamentos. A exceção é que algumas lojas têm acordos com o fabricante e, neste caso, são eles que sugerem o padrão de exposição.

Cross-merchandising: além do ponto natural na loja, alguns produtos da categoria dos hidratantes corporais e dermocosméticos merecem uma exposição adicional, como em caso de promoção, fase sazonal ou ainda quando a dupla exposição é próxima de um subgrupo correlato.

Usar as pontas de gôndolas e cestos promocionais é uma ótima estratégia para os produtos sazonais, assim como posicioná-los em pontos estratégicos com outros produtos de mesma sazonalidade.

Sinalização visual: quando o consumidor entra na loja, precisa ter uma visão geral do que há dentro dela. Por isso, quanto mais a comunicação puder esclarecer o que existe na prateleira, mais se estimulam as vendas e o desejo de experimentação.

Em cada segmento, é importante colocar os blocos de marca com suas diferentes fragrâncias, tamanhos e tipos de embalagem. Na altura dos olhos, devem ficar os produtos mais lucrativos, as marcas líderes e os que passam imagem de inovação para o subgrupo.

Abaixo da linha dos olhos, ficam os produtos de primeiro preço. No início do fluxo, ficam os itens mais lucrativos e, no fim, aqueles geradores de visitas à loja.

Política de preços: é importante que a loja tenha a disponibilidade de pelo menos algumas opções de cada um dos segmentos com diferentes faixas de preço. Além disso, a sinalização de preço bem visível à frente de cada produto é indispensável.

Mídias alternativas: todo tipo de mídia social é importante. Se por um lado folders e cadernos de ofertas vêm perdendo sua utilidade, os boletins e e-mail marketing começam a ganhar destaque.

Como os consumidores pesquisam muito nas plataformas digitais antes de decidirem a compra, vale recorrer também aos sites e blogs. Essa divulgação com orientações de uso ou custo-benefício também desperta o desejo de compra por impulso.

Fonte: Guia da Farmácia
Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Rumo ao Futuro

Edição 355 - 2022-06-13 Rumo ao Futuro

Essa matéria faz parte da Edição 355 da Revista Guia da Farmácia.