Principais questões sobre a Febre Amarela

Doença assusta moradores de diversas cidades

Entre o fim de 2016 e o início de 2017, o Brasil registrou um surto de febre amarela, com pico de incidência entre os meses de dezembro de 2016 e março de 2017. Somente neste período, o Ministério da Saúde (MS) confirmou a infecção de 424 pessoas e a morte de 137.

Para conter a doença, houve intensificação da campanha de vacinação em todo o Países, principalmente nos estados com maior número de afetados: Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo. A incidência da doença assusta as pessoas, que ainda têm dúvidas sobre elas. Saiba orientá-las:

O que é a febre amarela?

É uma doença infecciosa febril aguda causada por um vírus hospedeiro de dois mosquitos. No caso da febre amarela rural, o transmissor é o mosquito Haemagogus, enquanto a urbana é transmitida pelo Aedes Aegypti. A patologia não é transmitida de pessoa para pessoa.

Quais os sintomas?

Os primeiros sintomas aparecem entre três a seis dias após a contaminação. São eles: início súbito de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dor nas costas e no corpo, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Cerca de 15% dos acometidos desenvolvem a forma mais grave da doença, que inclui: febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e mucosas), hemorragias e possível choque e insuficiência múltipla dos órgãos. Das pessoas que desenvolvem esta forma mais grave da doença de 20% a 50% delas chegam a óbito.

Qual o tratamento?

As pessoas passam por um tratamento sintomático, com prescrição de repouso e ingestão de analgésicos e de líquidos. Os medicamentos salicilatos devem ser evitados, pois favorecem o surgimento de hemorragias.

Como prevenir?

A prevenção é feita pela vacinação, tendo comprada eficácia de 95% a 99%. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece a vacina que, desde abril desse ano, é distribuída sob o esquema vacinal de uma única dose durante toda a vida.

Fonte: Jornal Alô Brasília
Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário