Rio autoriza que grávidas que tomaram AstraZeneca na 1ª dose recebam a Pfizer na 2ª

Secretário Daniel Soranz citou países que recomendam ou autorizam a combinação dos imunizantes

A Prefeitura do Rio autorizou que gestantes que tomaram a vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 na primeira dose recebam a da Pfizer na segunda aplicação.

É a primeira capital brasileira a adotar a combinação de imunizantes. A saber, a AstraZeneca foi suspensa para gestantes em maio, por “reação adversa”.

Resultados preliminares de estudos internacionais, citados portanto pelo comitê científico do município, dizem que a mistura das doses traz resultados eficazes contra o coronavírus.

Dessa maneira, a novidade foi anunciada nesta terça-feira (29) pelo secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, então, nas redes sociais.

Gestantes devem procurar um médico para a orientação quanto a mistura de doses

“Seguindo a recomendação do nosso comitê: As gestantes que tomaram a primeira dose da vacina AstraZeneca poderão, mediante avaliação dos riscos e benefícios com seus médicos, realizar a segunda dose com a vacina da Pfizer 12 semanas após, então, a primeira dose”, escreveu.

Cada grávida, então, terá de procurar seu obstetra e levar um atestado para que receba a dose de reforço — respeitando a janela de três meses.

“Várias gestantes tomaram a AstraZeneca antes de interromperem [a aplicação]. Essas gestantes poderiam tomar agora a Pfizer como uma segunda dose. Já tem alguns estudos de intercambialidade. Inclusive o próprio Ministério da Saúde já tem dados de pessoas que tomaram errado. Poderia completar o esquema de várias pessoas: pessoas que tiveram reação à AZ na primeira”, opinou o epidemiologista e professora titular da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel.

Estudos internacionais

Soranz listou, então, seis estudos clínicos, com cerca de 2.000 participantes no total, que “demonstram segurança e eficácia de aplicação heteróloga de Pfizer e AZ” — ou, então, a combinação dos dois imunizantes.

  1. Governo da Coreia do Sul: 500 profissionais militares
  2. Hospital Universitário de Berlim (Alemanha): 129 profissionais de saúde entre 18 e 64 anos
  3. Instituto Carlos III (Espanha): 663 voluntários entre 18 e 59 anos
  4. Universidade de Oxford (Reino Unido): 463 voluntários com média de 57 anos
  5. Universidade de Saarland (Alemanha): 250 profissionais de saúde
  6. Universidade de Ulm (Alemanha): 26 profissionais de saúde

Então, a partir desses levantamentos, de acordo com Soranz, diferentes países ora recomendaram, ora autorizaram a mistura das doses.

Recomendam a combinação

  • Alemanha
  • Canadá
  • Coreia do Sul
  • Chile
  • Dinamarca
  • França
  • Finlândia
  • Noruega
  • Portugal
  • Suécia

 

Autorizam a combinação

  • Espanha
  • Emirados Árabes
  • Inglaterra
  • Itália

 

Covid-19: Estudos investigam efeito de mistura de doses de vacinas diferentes 

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário