Rio de Janeiro identifica nova cepa do novo coronavírus em circulação no Estado

Ainda não se sabe se a variante é mais transmissível ou letal

O Rio de Janeiro (RJ) está com um nova cepa do coronavírus em circulação.

A informação é da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES), de acordo com comunicado divulgado na última quinta-feira (6) pelo governo.

A  nova cepa coronavírus identificada no RJ, que recebeu o nome P.1.2 foi encontrada principalmente na Região Norte.

Mas também foi identificada em amostras nas regiões Metropolitana, Centro e Baixada Litorânea.

A nova variante do SARS-CoV-2 recebeu esse nome por se tratar de uma mutação da linhagem P1, que permanece em maior frequência no Estado, correspondendo a 91,49% das amostras analisadas.

Essa variante foi identificada inicialmente em Manaus.

A P.1.2 foi identificada em 5,85% das 376 amostras submetidas à segunda etapa do sequenciamento realizado pela SES.

Também foram identificadas, em menores proporções, as linhagens B.1.1.7, variante identificada inicialmente no Reino Unido, encontrada em 2,13% das amostras e P2, identificada no próprio estado do Rio, em 0,53%.

De acordo com a subsecretária de Vigilância em Saúde da SES e idealizadora da pesquisa, Cláudia Mello, ainda não se sabe se a nova variante é mais transmissível ou letal.

Contudo, o monitoramento segue aprofundando os efeitos que poderão ser apresentados, ou seja, o comportamento epidemiológico da variante.

O estudo mostra que a linhagem P1 se mantém presente em quase todas as regiões do Estado.

E e a P2, nas regiões Norte e Baixada Litorânea. A variante B.1.1.7 foi identificada em todas as regiões, exceto na Baixada Litorânea.

Parcerias para monitorar a nova cepa do coronavírus no RJ

Nesta etapa, de acordo com a SES, foram investigadas 376 amostras, de 57 municípios.

E foram selecionadas a partir de genomas enviados ao Laboratório Central Noel Nutels (Lacen/RJ).

Isto aconteceu entre os dias 24 de março e 16 de abril.

Este estudo integra uma das maiores iniciativas na área de sequenciamento do vírus da Covid-19 do país, que prevê análise de cerca de 4,8 mil amostras em seis meses.

A ação é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e conta com a parceria do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), do Laboratório de Virologia Molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Lacen, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Secretaria Municipal de Saúde do Rio.

Há ainda outros dois sequenciamentos de amostras do Rio de Janeiro em andamento, realizados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e pelo Ministério da Saúde (MS).

Ao todo, foram analisadas, desde fevereiro, 708 amostras. A variante P1 prevaleceu nos sequenciamentos.

Fonte: Estadão

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário