Supermercados não poderão vender medicamentos, define Comissão da Câmara

A venda de medicamentos em supermercados, assim como ocorrem nos Estados Unidos, não foi autorizada no Brasil

No último dia 11 de julho, a comissão que analisa a medida provisória da liberdade econômica (MP 881/19) aprovou o relatório do deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), sendo que a proposta aprovada pôs fim a uma recente polêmica dentro do setor varejista: afinal, a venda de medicamentos em supermercados pode ser realizada?

A venda de medicamentos em supermercados, assim como ocorre nos Estados Unidos, foi incluída no substitutivo apresentado no último dia 9 de julho. No mesmo dia, a Associação Paulista de Supermercados (APAS) emitiu um comunicando expressando apoio à inclusão dentro da medida provisória.

Opinião da Associação Paulista de Supermercados

“A APAS apoia o parecer do deputado, considerando que esta seria uma grande conquista para a população. Afinal, o consumidor passaria a contar com preços reduzidos devido à livre concorrência. Além disso, os supermercados já têm uma responsabilidade muito grande em comercializar alimentos de qualidade a consumidores de todas as regiões. Isso nos credencia a oferecer como conveniência analgésicos, anti-inflamatórios, antitérmicos, relaxantes musculares, entre outros remédios que não necessitam de receita médica para serem comprados, garantindo a sua saúde e integridade”, afirmou o presidente da entidade, Ronaldo dos Santos, no comunicado.

Ademais, o comunicado reforça que a venda de medicamentos sem necessidade de receita médica é uma antiga bandeira da entidade. “Seria uma vitória do setor supermercadista, que, por meio Associação Brasileira de Supermercados (Abras) vem se esforçando para legalizar a liberação desta comercialização nas lojas. Afinal, desde fevereiro do ano passado, a Abras, em conjunto com a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo, tem acompanhado a tramitação de projetos relacionados. Assim, vem buscando apoio dos membros da Casa Legislativa em prol de sua aprovação.

Opinião das farmácias sobre a venda de medicamentos em supermercados

O Conselho Federal de Farmácia se reuniu com Goergen e ouviram a promessa de que a proposta seria excluída. “A gente não pode liberar o mercado gerando uma concorrência desleal. O fato é que as farmácias têm uma série de exigências sanitárias que precisarão ser cumpridas em sua totalidade pelos supermercados. Portanto, a medida provisória não tem como se sobrepor à legislação existente”, informou o parlamentar no comunicado da entidade.

O presidente do Conselho Federal de Farmácia (CFF), Walter Jorge João, lembrou que a Lei 13.021/14, que mudou o conceito de farmácia no Brasil e reiterou a obrigatoriedade da dispensação dos medicamentos apenas sob a responsabilidade técnica do farmacêutico, foi uma conquista da sociedade obtida pelas entidades farmacêuticas a partir da iniciativa do CFF.

Anteprojeto de lei para a venda de medicamentos em supermercados

No fim, após acordo entre os líderes, Goergen retirou do substitutivo a possibilidade de venda de medicamentos em supermercados. Segundo relator, ficou acertada a criação de um grupo de trabalho composto por parlamentares e membros do Executivo para propor um anteprojeto de lei. A proposta será analisada ainda pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Foto: Shutterstock
Fonte: No Varejo

Abrafarma repudia projeto que libera medicamentos fora de farmácias

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário