fbpx

Preocupação com a Covid-19 gera dor de cabeça em 31% dos brasileiros

Resultado é de pesquisa encomendada pela Takeda

A pandemia pelo novo Coronavírus tem sido o pontapé inicial para episódios de dor de cabeça na população, segundo releva a pesquisa “A Relação dos Brasileiros com a Dor de Cabeça – 2ª Edição”.

O levantamento foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) e encomendado pela biofarmacêutica Takeda.

Os resultados apontam que 31% dos brasileiros – ou seja, uma média de uma a cada três pessoas, afirmam que preocupação gerada pela Covid-19 é um gatilho para desencadear esse problema.

Segundo analisa a neurologista membro da Academia Brasileira de Neurologia e da Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), Dra. Evelyn Esteves Dias, o medo da pandemia, preocupações financeiras e mudança repentina dos hábitos de vida podem, de fato, ser a origem para crises.

Além disso, o isolamento social tem alterado relevantemente a vida das pessoas. “Passamos a conviver 24 horas com a família, por vezes em um espaço pequeno”, diz. “Isso pode gerar estresse e conflitos, consequentemente a cefaleia”, acrescenta a médica.

O levantamento, feito com internautas de todo o Brasil em abril deste ano, teve como propósito traçar um comparativo do mesmo estudo realizado em 2016. A ideia era a de indicar de que forma mudou na relação do brasileiro com a dor de cabeça.

Estresse é principal gatilho para dor de cabeça

Numa pergunta de múltipla escolha, em 2016, o estresse foi apontado por 68% dos entrevistados como um possível gatilho da dor de cabeça. Na pesquisa atual, esse percentual é de 59%.

Em segundo lugar, a privação de sono, que aparecia com 60% há quatro anos e, hoje, 52%. Enquanto isso, os problemas pessoais saíram do patamar de 43% na primeira pesquisa, para 32% no último estudo.

A queda de percentual das motivações mencionadas anteriormente foi motivada pelo surgimento de novos. Entre eles, a pandemia do novo Coronavírus e o uso do celular.

Com a quarentena, notou-se, ainda, que as pessoas passaram a ficar mais tempo conectadas, seja usando aplicativos gerais, redes sociais ou trabalhando.

Assim, comprovando essa realidade, a pesquisa mostra que 97% dos entrevistados afirmam passar, no mínimo, duas horas do dia no celular.

Nesse grupo, se destacam as faixas etárias entre 18 a 35 anos (26%) e as mulheres (27%), que tendem a ficar 8 horas ou mais usando o aparelho.

* Material destinado para o público em geral. C-ANPROM/BR/NEO/0065 – Outubro/2020

dor de cabeça

Referências bibliográficas:

  1. IBOPE Inteligência. Dor de cabeça. São Paulo: IBOPE Inteligência; 2016.
  2. IBOPE Inteligência. A relação dos brasileiros com a dor de cabeça. São Paulo: IBOPE Inteligência; 2020.

Foto: Shutterstock

Cefaleia ou enxaqueca? Saiba as diferenças

 

Deixe um comentário