Preocupação com a Covid-19 gera dor de cabeça em 31% dos brasileiros

Resultado é de pesquisa encomendada pela Takeda

A pandemia pelo novo Coronavírus tem sido o pontapé inicial para episódios de dor de cabeça na população, segundo releva a pesquisa “A Relação dos Brasileiros com a Dor de Cabeça – 2ª Edição”.

O levantamento foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) e encomendado pela biofarmacêutica Takeda.

Os resultados apontam que 31% dos brasileiros – ou seja, uma média de uma a cada três pessoas, afirmam que preocupação gerada pela Covid-19 é um gatilho para desencadear esse problema.

Segundo analisa a neurologista membro da Academia Brasileira de Neurologia e da Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), Dra. Evelyn Esteves Dias, o medo da pandemia, preocupações financeiras e mudança repentina dos hábitos de vida podem, de fato, ser a origem para crises.

Além disso, o isolamento social tem alterado relevantemente a vida das pessoas. “Passamos a conviver 24 horas com a família, por vezes em um espaço pequeno”, diz. “Isso pode gerar estresse e conflitos, consequentemente a cefaleia”, acrescenta a médica.

O levantamento, feito com internautas de todo o Brasil em abril deste ano, teve como propósito traçar um comparativo do mesmo estudo realizado em 2016. A ideia era a de indicar de que forma mudou na relação do brasileiro com a dor de cabeça.

Estresse é principal gatilho para dor de cabeça

Numa pergunta de múltipla escolha, em 2016, o estresse foi apontado por 68% dos entrevistados como um possível gatilho da dor de cabeça. Na pesquisa atual, esse percentual é de 59%.

Em segundo lugar, a privação de sono, que aparecia com 60% há quatro anos e, hoje, 52%. Enquanto isso, os problemas pessoais saíram do patamar de 43% na primeira pesquisa, para 32% no último estudo.

A queda de percentual das motivações mencionadas anteriormente foi motivada pelo surgimento de novos. Entre eles, a pandemia do novo Coronavírus e o uso do celular.

Com a quarentena, notou-se, ainda, que as pessoas passaram a ficar mais tempo conectadas, seja usando aplicativos gerais, redes sociais ou trabalhando.

Assim, comprovando essa realidade, a pesquisa mostra que 97% dos entrevistados afirmam passar, no mínimo, duas horas do dia no celular.

Nesse grupo, se destacam as faixas etárias entre 18 a 35 anos (26%) e as mulheres (27%), que tendem a ficar 8 horas ou mais usando o aparelho.

* Material destinado para o público em geral. C-ANPROM/BR/NEO/0065 – Outubro/2020

dor de cabeça

Referências bibliográficas:

  1. IBOPE Inteligência. Dor de cabeça. São Paulo: IBOPE Inteligência; 2016.
  2. IBOPE Inteligência. A relação dos brasileiros com a dor de cabeça. São Paulo: IBOPE Inteligência; 2020.

Foto: Shutterstock

Cefaleia ou enxaqueca? Saiba as diferenças

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário