Destaques & lançamentos

Sono pode ter impacto na resposta imunológica à vacina contra Covid-19

Dormir bem ou mal, antes e após a imunização, pode afetar a produção de anticorpos, dizem as descobertas científicas

Pessoas vacinadas contra a Covid-19 apresentam diferentes níveis de anticorpos e  o sono pode ter um papel relevante para explicar esta desigualdade.

Trabalhos científicos realizados com indivíduos imunizados contra a gripe apontam que a restrição das horas de sono, nos dias que antecedem a vacinação, pode reduzir a produção de anticorpos.

Pesquisadores da University of California observaram que dormir bem nas duas noites anteriores à imunização melhorou a resposta imune contra o vírus da gripe.

Um estudo da University of North Texas com adultos com e sem insônia revelou que os insones desenvolveram menos anticorpos contra o vírus da gripe um mês após a vacinação.

A constatação corrobora uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Mostrando que trabalhadores em turnos apresentavam resposta imune menor à vacina contra meningite C do que seus colegas do período diurno.

“Para evitar que o sono tenha um impacto negativo sobre a produção de anticorpos, é importante que a pessoa procure dormir bem nas noites que antecedem a imunização e na noite da vacinação”, preconiza a biomédica e  pesquisadora do Instituto do Sono, Daniela Santoro Rosa.

“Também é fundamental manter a qualidade de sono nas noites subsequentes à vacinação para permitir que o organismo consiga produzir os anticorpos de forma satisfatória”, complementa.

Anticorpos

Um estudo da Universidade de Lübeck, na Alemanha, apontou também que indivíduos que não dormiram na noite após a vacinação contra hepatite A apresentavam quase metade dos anticorpos quando comparados com aqueles que dormiram bem.

“ Certamente é fundamental ressaltar que esses efeitos ainda estavam presentes após o acompanhamento de um ano, indicando que o sono participa da resposta imunológica inicial e a mantém a longo prazo”, ressalta a biomédica.

A saber, recentemente, a revista científica britânica The Lancet, da Elsevier, publicou um comentário afirmando que a boa qualidade de sono é importante para pessoas saudáveis que se vacinam.

No entanto, dormir bem, antes e depois da imunização, é primordial para aqueles com sistema imunológico mais frágil, como idosos e indivíduos com comorbidades, por exemplo.

Tenha uma boa noite de sono antes da vacinação contra a Covid-19

Ainda de acordo com a  publicação, estender a duração de sono na noite da imunização pode “ajudar a garantir uma resposta adequada às vacinas e contribuir para reduzir a incidência de doença grave nessas pessoas”.

O impacto da qualidade de sono sobre a resposta imunológica já ficou bastante evidente nos estudos envolvendo vírus como o influenza.

Entretanto, o reflexo do sono sobre a imunização contra a Covid-19 ainda não está muito claro.

Para começar a desvendar esta questão, o Instituto do Sono está prestes a realizar um estudo envolvendo idosos acima de 60 anos imunizados contra a Covid-19 e com apneia de sono.

A ideia é mensurar a produção de anticorpos nesses indivíduos e fazer uma comparação com outros sem apneia do sono.

Dessa maneira, dormir bem é essencial para o sistema imune.

Porque durante o sono profundo ou sono de ondas lentas ocorre o pico de produção do hormônio do crescimento, a elevação dos níveis do hormônio associado à resposta imunológica.

E tem também a queda na secreção do hormônio induzido pelo estresse (cortisol).

Dicas para superar a ansiedade

Portanto, para quem vai se vacinar contra a Covid-19, a biomédica dá algumas dicas que ajudam superar a ansiedade da véspera da imunização.

E  melhorar a qualidade de sono e, consequentemente, do sistema imunológico:

  • Mantenha uma rotina – mesmo se você está trabalhando no regime de home office e pode ficar mais tempo na cama, estabeleça horários fixos para dormir e acordar.
  • Faça do quarto um local para dormir – evite estímulos que irão prejudicar o sono como assistir televisão, ver o celular ou acender a luz.
  • Evite alimentos pesados e bebidas com cafeína – faça refeições leves até duas horas antes de deitar. Não tome café, energéticos e chá preto e outras infusões que contêm cafeína à noite.
  • Diga não às bebidas alcóolicas – vinho, cerveja e outros tipos de bebidas alcoólicas quando ingeridos à noite ajudam a adormecer, mas alteram a arquitetura de sono.
  • Reduza o estresse – não assista programas de televisão polêmicos ou violentos antes de dormir, prefira, então, fazer a meditação ou escutar música suave.
  • Atividade física tem hora – pratique exercícios físicos durante o dia. Atividade física perto da hora de dormir interfere no fluxo do sono, reduzindo sua função reparadora.

Os efeitos da pandemia no sono 

Fonte: Instituto do sono

Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário