Clonazepam: o que é, indicações, contraindicações e como tomar

O fármaco age diretamente no sistema nervoso e traz ações de efeito tranquilizante e relaxamento muscular

Clonazepam, mais conhecido como Rivotril, é um medicamento da família dos benzodiazepínicos, sendo indicado para diversas doenças, como distúrbio epiléptico, transtornos de ansiedade e transtornos do humor.

O fármaco age diretamente no sistema nervoso e traz ações de efeito tranquilizante e relaxamento muscular. Mas, por ser um medicamento que pode causar dependência, deve ser utilizado com orientação médica e só pode ser comprado com receita. 

Saiba mais sobre o clonazepam, suas indicações e principais efeitos colaterais:

O que é clonazepam?

O clonazepam pertence a uma família de fármacos chamados benzodiazepínicos, que possuem como principais propriedades inibição leve de várias funções do sistema nervoso, assim, permitindo com isto uma ação anticonvulsivante, alguma sedação, relaxamento muscular e efeito tranquilizante. 

Para o que serve?

O medicamento é indicado para diversos fins:

Distúrbio Epiléptico: O clonazepam está indicado isoladamente ou como adjuvante no tratamento das crises epilépticas mioclônicas, acinéticas, ausências típicas (petit mal), ausências atípicas (síndrome de Lennox-Gastaut). Em crises epilépticas clônicas (grande mal), parciais simples, parciais complexas e tônico-clônico generalizadas secundárias. O clonazepam está indicado como tratamento de terceira linha.

Emprego em síndromes psicóticas: 

  • Tratamento da acatisia.

Transtornos de ansiedade:

Tratamento da síndrome das pernas inquietas

Transtornos do Humor

  • Transtorno afetivo bipolar: tratamento da mania; 
  • Depressão maior: como coadjuvante de antidepressivos (depressão ansiosa e na fase inicial de tratamento). 

Tratamento da vertigem e sintomas relacionados à perturbação do equilíbrio, como náuseas, vômitos, pré-síncopes ou síncopes, quedas, zumbidos, hipoacusia, hipersensibilidade a sons, hiperacusia, plenitude aural, distúrbio da atenção auditiva, bem como diplacusia e outros.

Tratamento da síndrome da boca ardente

Cerca de 140 milhões de pessoas são afetadas pelo transtorno afetivo bipolar 

como-tomar-clonazepam

Quais as contraindicações?

O clonazepam não deve ser usado por pacientes com história de sensibilidade aos benzodiazepínicos, nem naqueles com evidência significativa clínica ou bioquímica de doenças hepáticas. Pode ser usado em pacientes com glaucoma de ângulo aberto quando estão recebendo terapia apropriada, mas é contraindicado em glaucoma agudo de ângulo fechado.

Efeitos colaterais do clonazepam

Os efeitos colaterais que ocorreram com maior frequência com clonazepam são referentes à depressão do Sistema Nervoso Central (SNC). Outras reações, relacionadas por sistema são:

  • Neurológico: sonolência, ataxia, movimentos anormais dos olhos, afonia, movimentos coreiformes, coma, diplopia, disartria, disdiadococinesia, aparência de “olho-vítreo”, enxaqueca, hemiparesia, hipotonia, nistagmo, depressão respiratória, fala mal articulada, tremor, vertigem, perda do equilíbrio, coordenação anormal, sensação de cabeça leve, bem como letargia e parestesia.
  • Psiquiátrico: confusão, depressão, amnésia, alucinações, histeria, libido aumentada, insônia, psicose, tentativa de suicídio (os efeitos sobre o comportamento podem ocorrer com maior probabilidade em pacientes com história de distúrbios psiquiátricos), irritabilidade, concentração prejudicada, ansiedade, ataque de ansiedade, despersonalização, disforia, labilidade emocional, distúrbio de memória, libido diminuída, nervosismo, desinibição orgânica, ideias suicidas, lamentações.
  • Respiratório: congestão pulmonar, rinorreia, respiração ofegante, hipersecreção nas vias respiratórias superiores, infecções das vias aéreas superiores, tosse, bronquite, dispneia, rinite, bem como congestão nasal e faringite.
  • Cardiovascular: palpitações, dor torácica.
  • Dermatológico: perda de cabelo, hirsutismo, erupção cutânea, urticária, prurido, edema facial e do tornozelo.
  • Gastrintestinal: anorexia, língua saburrosa, constipação, diarreia, boca seca, encoprese, gastrite, hepatomegalia, apetite aumentado, náusea, gengivas doloridas, desconforto ou dor abdominal, inflamação gastrintestinal, dor de dente.
  • Genitourinária: disúria, enurese, noctúria, retenção urinária, incontinência urinária, cistite, infecção do trato urinário, bem como dismenorreia.
  • Musculoesquelético: fraqueza muscular, dores, lombalgia, fratura traumática, mialgia, nucalgia, deslocamentos e tensões.
  • Hematopoiético: anemia, leucopenia, trombocitopenia, eosinofilia.
  • Hepático: elevações temporárias das transaminases séricas e da fosfatase alcalina.
  • Distúrbios auditivos e vestibulares: otite, vertigem.
  • Diversos: desidratação, deterioração geral, cefaleia, febre, linfadenopatia, ganho ou perda de peso, reação alérgica, fadiga, bem como infecção viral. A experiência no tratamento de crises epilépticas demonstrou a ocorrência de sonolência em aproximadamente 50% dos pacientes e ataxia em aproximadamente 30%. Em alguns casos, esses sintomas e sinais podem diminuir com o tempo. Além disso, foram observados problemas comportamentais em aproximadamente 25% dos pacientes.

Como tomar?

O paciente deve tomar os comprimidos por via oral com pouca quantidade de líquido não alcoólico. A dose de clonazepam depende da doença, da resposta clínica, bem como idade e tolerabilidade.

Desse modo, recomenda-se que o tratamento inicie com doses mais baixas, que podem ser aumentadas se necessário. Contudo, tanto a dosagem quanto o horário de medicação devem ser orientados pelo médico.

Como calcular e dispensar corretamente as insulinas na farmácia? 

Diferenças clonazepam e Rivotril

Não há diferenças entre o clonazepam e Rivotril. Isso porque Rivotril é o nome comercial para o medicamento clonazepam. 

Quanto custa?

A caixa de 2 mg com 30 cápsulas custa, em média, R$ 15, dependendo da marca, bem como da farmácia e da região. 

 

tomar-comprimido-clonazepam

Vende sem receita?

Não. Isso porque o clonazepam é um medicamento controlado e, por isso, exige receita médica. 

Conclusão

Clonazepam é um medicamento muito conhecido e utilizado para o tratamento de doenças do Sistema Nervoso Central (SNC), como transtornos de humor e de ansiedade. Mais conhecido por seu nome comercial, Rivotril, pode causar dependência e, por isso, deve ser usado com acompanhamento médico. 

Seus efeitos colaterais podem estar relacionados aos sistemas respiratório, cardiovascular, bem como dermatológico e psicológico, entre outros. Assim, caso, ao iniciar o tratamento, sentir algo, não deixe de avisar seu médico de segurança. 

Desse modo, o clonazepam só pode ser comprado com receita médica e deve ter todo o acompanhamento do tratamento de perto com o profissional de saúde de confiança. 

 

Fonte:

EMS – Bula do paciente

 

Fonte: Guia da Farmácia

Fotos: Shutterstock

Não se automedique, consulte um profissional de saúde.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário